sexta-feira, 19 de julho de 2024

Apagão cibernético causa instabilidade em bancos e clientes reclamam nas redes sociais

Foto: Elaine Neves

Alguns bancos brasileiros apresentaram problemas em seus aplicativos nesta sexta-feira (19), após um apagão cibernético que afetou vários lugares ao redor do mundo.

O site Downdetector, especializado em reportar falhas em canais digitais, apontava reclamações em pelo menos quatro instituições financeiras: Banco Pan, Bradesco, Neon e Next.

Vários clientes reclamaram nas redes, alertando que os aplicativos estavam fora do ar e relatando problemas na falha de login para se conectar, sem conseguir completar as operações e para realizar pagamentos. Alguns usuários disseram ter problemas até com os cartões físicos.

Bancos de vários países relataram problemas

Na Austrália, o Commonwealth Bank, maior banco do país, afirmou que alguns clientes não conseguiram transferir dinheiro devido à interrupção de serviços.

O mesmo aconteceu com a Capitec, da África do Sul, que informou que pagamentos com cartão, caixas eletrônicos e serviços de aplicativos sofreram interrupções significativas, e precisaram ser restaurados.

Morte de menino de 2 anos na Zona Norte do Rio é investigada


A Polícia Civil investiga a morte de um menino de 2 anos, em Ricardo de Albuquerque, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Kaleb Gabriel da Cruz foi levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ricardo de Albuquerque pela mãe e pelo padrasto na quarta-feira (17), mas segundo os médicos, ele já chegou morto ao local.

Na terça-feira (16), os responsáveis levaram a criança para a UPA, mas na unidade, os pais foram orientados a procurar o Hospital Municipal Albert Schweitzer (HMAS), em Realengo, na Zona Oeste. onde o menino passou por atendimento, realizou tomografia, ficou em observação por 4h e recebeu alta. No entanto, na quarta-feira, a mãe conta que a criança amanheceu com o corpo frio e sem responder a estímulos. Ela e o padrasto chegaram a levá-lo à UPA, mas o menino já chegou na unidade básica sem vida.

De acordo com a mãe, o menino brincava com o irmão, sob a supervisão do padrasto, quando caiu da cama e bateu a cabeça no chão. Mas o laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que a causa da morte foi uma lesão no pâncreas por ação contundente na região da barriga, o que seria um trauma ou uma pancada no local. Segundo o laudo, a lesão não é compatível com uma queda da cama e o menino não apresentava nenhum ferimento na cabeça.

Uma tia, irmã do pai de Kaleb, contou que, quando a família esteve na delegacia, o irmão da mãe da criança falou que o menino era vítima de agressão. A família paterna soube da morte pelas redes sociais, através de uma postagem da mãe da criança. O pai dele morreu assassinado há 5 meses.

A 31ª DP (Ricardo de Albuquerque) instaurou um inquérito para apurar o caso. Os agentes ouvem testemunhas, levantam informações e realizam diligências para esclarecer as circunstâncias da morte da criança.

O que dizem as unidades de saúde

Em nota, a direção do Hospital Municipal Albert Schweitzer informou que o paciente deu entrada na unidade por volta das 19h de terça-feira (16), com relato de queda da cama. O menino apresentava edema na face esquerda e episódios de vômitos. "Kaleb ficou em observação por cerca de 4 horas, foi medicado para enjoo e realizou exame de imagem que não apresentou alterações. Após estabilização do quadro, o paciente recebeu alta com as devidas orientações", explicou a direção do hospital.

Já a direção da UPA de Ricardo de Albuquerque esclareceu que o Kaleb deu entrada na unidade na terça-feira, levado pela mãe e o padrasto. "Após relato de queda e vômito feito pelos responsáveis, eles foram orientados a permanecer na unidade para que a criança fosse encaminhada com prioridade para exame de tomografia, mas optaram por sair à revelia, ou seja, por conta própria, sem alta dada pela equipe médica. No dia seguinte, a criança retornou à UPA já em óbito. De acordo com o protocolo para esses casos, o corpo foi encaminhado ao IML para análise da causa do óbito", diz a nota.

quinta-feira, 18 de julho de 2024

Homem rouba carro e veículo capota durante tentativa de fuga em Nilópolis


Um criminoso que tinha acabado de roubar um veículo e estava sendo perseguido por policiais, capotou com o carro em frente a cabina da PM, na saída da Via Light, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, na tarde desta quinta-feira (18).


Homem condenado por roubo em Nilópolis é preso


Agentes da Divisão de Capturas e Polícia Interestadual (DC-Polinter), prenderam um homem condenado pelo crime de roubo. Após investigações, ele foi capturado em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, nesta quarta-feira (17).

Na delegacia, os policiais constataram que ele possui três anotações criminais por receptação, posse irregular de arma de fogo e roubo.

De acordo com os policiais, a vítima foi abordada por dois homens armados em uma moto, quando transitava com a sua motocicleta em uma rua de Nilópolis, em novembro de 2020.

quarta-feira, 17 de julho de 2024

Nubank apresenta falha no aplicativo e clientes relatam dificuldades nas redes sociais

 

O aplicativo do Nubank apresentou instabilidade na manhã desta quarta-feira (17). Com falha de login para se conectar e sem conseguir completar as operações, clientes do banco reclamavam nas redes sociais.

O site Downdetector, especializado em reportar falhas em canais digitais, contabilizou pelo menos 700 reclamações.

Aos clientes, o banco informa nas redes que está passando por "uma oscilação em nosso aplicativo" e que está empenhado em solucionar e encerrar a questão.




terça-feira, 16 de julho de 2024

O Programa Trabalho Protegido na Adolescência da FIA-RJ está com as inscrições abertas

O Programa Trabalho Protegido na Adolescência (PTPA) da FIA-RJ está com as inscrições abertas para o curso de qualificação que irá te preparar para um futuro melhor no mercado de trabalho, com vagas em unidades específicas, referente ao segundo semestre do ano de 2024.

Por meio do curso, você terá a possibilidade em estagiar em órgãos públicos e em parcerias privadas. Comece agora, corra pra fazer sua inscrição.

O PTPA é uma parceria da Fundação, que é do Governo do Estado, com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Podem se inscrever os adolescentes que cumpram os pré-requisitos estabelecidos abaixo:
  1. Adolescentes que tenham de 15 (quinze) anos a 16 (dezesseis) anos e 5 (cinco) meses tomando como referência o intervalo de datas de nascimento compreendido entre 11/02/2008 e 10/07/2009;
  2. Estejam matriculados e frequentando efetivamente o Ensino Fundamental II, o ensino médio, o Programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA) ou o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (PROJOVEM URBANO), preferencialmente, nas redes públicas de ensino ou na rede privada com bolsa de 100% (cem por cento) dos custos.
Estejam preferencialmente, mas não exclusivamente, enquadrados nas categorias:
  • Oriundos de famílias monoparentais;
  • Oriundos de famílias cadastradas em programas de transferência direta ou indireta de renda (Por exemplo: Bolsa Família, Renda Menor Jovem, BPC, entre outros.);
  • Cumprindo medidas socioeducativas;
  • Apresentem defasagem na correlação série/idade;
  • Pessoas com Deficiência, e que, por meio de um processo seletivo inclusivo, e que lhe tenham garantido o direito de escolha, respeitando suas aspirações, interesses e talentos. Além disso, deverão estar preparados para participar ativamente do projeto, demonstrando um nível apropriado de envolvimento com os conteúdos delineados, visando ao progresso necessário para futuras oportunidades de estágio e desenvolvimento profissional;
  • Em tratamento do uso de álcool e outras drogas;
  • Participantes ou egressos de programas sociais especiais, tais como: vítimas de violência, exploração sexual e em situação de vulnerabilidade.
Link para inscrição: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeS-fvfLFCH9UMOjQH_MaZYVJ9N0MZ-DeFAK_b6ywi7iiSrGw/viewform

Corpo de mulher desaparecida após falsa proposta de emprego é encontrado na Baixada


O corpo da jovem Camille Vitória Monteiro, de 21 anos, foi encontrado nesta segunda-feira (15) perto do Rio Magé, que fica na Baixada Fluminense. Ela estava desaparecida desde o dia 5 de julho, depois de sair de casa, em Anchieta, para uma entrevista de emprego no Centro do Rio. A jovem que morava com a avó e a mãe, deixa três filhos.

O desaparecimento era investigado pela Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA). Os agentes chegaram a pedir a prisão de dois suspeitos, mas a Justiça negou o pedido. Um dos homens foi detido e ainda na delegacia disse o local onde o corpo da jovem estava, mas o suspeito teve que ser ouvido e liberado. O corpo de Camille foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), onde a família foi fazer o reconhecimento.

O desaparecimento

Camille saiu de casa no dia 5 de julho e avisou a avó que ia fazer uma entrevista de emprego na Central do Brasil. As buscas por ela começaram neste mesmo dia.

Logo após sair, a jovem mandou uma mensagem para uma tia dizendo que tinha encontrado uma amiga e precisava resolver um assunto em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Desde então, o telefone ficava dando como se estivesse desligado.

Segundo a família, Camille trabalhava como garçonete no Clube de Anchieta e um dos funcionários esteve várias vezes na casa da família procurando por ela. A jovem chegou a dizer para a avó que ele estava ajudando ela com uma proposta de emprego.

A família chegou a ir até o clube onde mora o homem que teria intermediado o contato de emprego, acompanhados da polícia. No quarto dele, foram encontradas roupas íntimas femininas, preservativos e medicamentos. O funcionário teria desaparecido após a repercussão do caso.